Luto Ambiental


Banner da Ação - SOSMA
Ato “Finados Ambiental” defende a vida e o meio ambiente

     A ação, planejada por organizações da sociedade civil, destaca os impactos ambientais em florestas, mas e rios e na vida da população causados por descasos de gestores. Veja mais sobre esta ação em SOSMA.

    Infelizmente o Brasil está vivendo uma tragédia ambiental de proporções épicas. Desde o início do ano se somam acontecimentos de proporções gigantes que abalaram a população e a comunidade científica. A começar pela tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais, no mês de janeiro, com o rompimento da barragem que deixou mais de 121 mortos, 226 desaparecidos e muitos desabrigados. Relembre a notícia AQUI.

    Além das perdas humanas, a lama contaminada dizimou a vida no Rio Paraopeba que, segundo a Fundação SOS Mata Atlântica, está morto no trecho que corta Pará de Minas. Confira a notícia na íntegra em JORNAL DA USP.

Imagem Buscas Google - Pinterest

  Após alguns meses de “luto ambiental” outro acontecimento marcante, em agosto deste mesmo ano, chamou a atenção de todo o mundo, que foi o “Dia do Fogo”. Neste dia, fazendeiros se organizaram para atear fogo na maior floresta do mundo, a Floresta Amazônica.
   De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), os focos de incêndio tiveram crescimento de mais de 80% em comparação ao ano anterior. Vale ressaltar que anteriormente à queimada, ocorre o desmatamento, cuja situação leva a “limpeza” da área para pastagem ou plantio. Portanto, uma ação está vinculada à outra, de um ano para o outro. Se a Amazônia desaparecer o mundo todo perde, não será possível cumprir o Acordo de Paris para conter o aquecimento global e as chuvas serão muito escassas. Assista ao vídeo em BBC.

     Porém, se não bastasse o impacto na água doce e nas matas brasileiras, o ambiente afetado agora foi o mar. Mais recentemente o derramamento de petróleo que atingiu nove estados. O petróleo cru degradou as praias, os manguezais e ambientes marinhos na região nordeste e prejudicou o turismo da região. Não se sabe a sua origem, porém que seus efeitos podem durar por décadas. Sem contar que a grande mancha está se espalhando para litoral sudeste e ameaça importantes áreas de conservação ambiental. Entidades ambientalistas, como o IBAMA, estão monitorando a mancha de óleo, mas as consequências ainda são imprevisíveis. Saiba mais em BBC.

    Para nós fica a reflexão: “Estaríamos enterrando o Brasil neste finados de 2019?”


Profa. Fernanda de Freitas Borges



Elaborado por Profª Fernanda - Desenvolvido por Comunicação Fatec Jaboticabal

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL)

Como será o mundo pós Covid-19?

Zoneamento Agroecológico da Cana-de-Açúcar e Renovabio